Filipe de Almeida Garcia Lorenzo

Contato: fglorenzo@gmail.com

Vencedor do Prêmio Caymmi de Música 2015, o artista Filipe Lorenzo lança o seu primeiro álbum solo. O cantor integra a banda “Panos e Mangas” e já participou de projetos como “4 Cantos” e “Manotropo” onde dividiu o palco com artistas baianos de destaque como Gabi Guedes, Paulo Mutti, Ivan Bastos, Ivan Huol, Felipe Guedes, Gabriel Rosário, dentre outros, além da realização de inúmeras participações no projeto “JAM no MAM”.
No Carnaval de Salvador de 2013 fez parte do projeto “Kabaluerê”, cantando emparceria com a consagrada dupla Antônio Carlos e Jocafi.
A faixa homônima ao disco, “Odisseia Baiana”, foi a música vencedora nas categorias de “Melhor Canção” e “Melhor Arranjo” do Prêmio Caymmi de Música 2015 e a canção “Dança dos Mundos” foi uma das selecionadas no Festival de Música Educadora de 2014.

filipe lorenzo
Dança dos Mundos
Filipe Lorenzo
filipe lorenzo
Odisseia Baiana
Filipe Lorenzo
filipe lorenzo
Um Samba
Filipe Lorenzo

Gil Bruno de Sá B Camara

Contato: gcamaraprod@gmail.com

Produtor musical, compositor e interprete.
Gil Camará morou por 5 anos na Europa entre Barcelona Espanha e Londres Inglaterra 2002 á 2006. Atuou como músico na embaixada do Brasil em Londres 2005 e 2006, tocando em eventos como: Festa de 7 de Setembro Independe^ncia do Brasil na casa do Embaixador Bustanni; Evento comemorativo no Parlamento Brita^nico (Big Bang – House of Communs); The Mayor’s Thames Festival; Festival Tropica´lia -no Teatro Barbican em evento de recepc¸a~o ao presidente Lula e Ministro da Cultura Gilberto Gil e apresentou-se em diferentes locais pela Europa.
No Brasil Gil Camará participou de festivais, produziu trilhas sonoras para 3 longas metragens, produziu e gravou seu primeiro CD autoral, Nação Mameluco, lançado em Janeiro de 2016, produziu e gravou o CD Coletivo Plugado na Rede, que será lançado no primeiro Semestre de 2016, com 11 compositores da nova safra baiana de músicos.
O seu som tem um violão marcante, bem ritmado e brasileiro, funde-se aos arranjos da banda e conduz um repertório eclético, que mistura Bahia, Pernambuco, São paulo, Rio, Minas e Europa.

gil camara
Aduana
Gil Camará
gil camara
Balanço do Luiz
Gil Camará
gil camara
Poder do Capital
Gil Camará

Antônio Ireno Figueiredo da Silva

Contato: giramente@gmail.com

A Giramente é uma banda que mistura música pop/eletrônica e regional com uma identidade musical que soma entretenimento, atitude e preocupação social em seu repertório. De forma natural e experimental se apresenta como um trovador moderno e antropofágico, tendo a força de se reinventar e mergulhar em estímulos externos, transformando-os de forma única. É uma “miscigenação” entre o cult e o popular, quase um limbo de música altamente sensorial, com um regionalismo e modernidade evidentes já nos primeiros acordes.

“… que veio almagamar, o som mundial, metrópole e sertão…”

Giramente é tudo o que a boca come!
Alapalá!

giramente banda
Giramente
Giramente
giramente banda
São Farrapo
Giramente
giramente banda
Trovão de roda
Giramente

Julio Caldas

Contato: juliocaldas@gmail.com

Júlio Caldas é multi-instrumentista e sua maior dedicação é voltada para a guitarra e a guitarra baiana. Iniciou sua carreira em 1996, junto a Luiz Caldas. Desde então tocou junto a nomes como Armandinho Macedo, Carlinhos Brown e Pepeu Gomes. Hoje está à frente do projeto Viola de Arame, grupo com o qual já gravou DVD e CD.

julio caldas
Sabemos O Quanto Temos
Julio Caldas
julio caldas
Navio Negreiro
Julio Caldas
julio caldas
Outono De Amor
Julio Caldas

Marcelo Cordeiro do Nascimento

Contato: cordeiro2000@gmail.com

Formado em Letras Vernáculas com Língua Estrangeira Moderna pela Universidade Federal da Bahia, Kaw Malangue nasceu Marcelo Cordeiro do Nascimento em 25/03/76, em Salvador, Bahia. Desce cedo tomou gosto pelas artes, especialmente pela música. Aos 7 anos começou a fazer versões em português para canções de artistas como Iron Maiden e Beatles. Aos 12 anos, começou a compor em inglês e aprendeu a tocar violão com um instrumento que só possuía as três cordas graves. Como não conhecia os acordes ou notas, começou a criar seus próprios acordes e os identificava através de letras (sem saber que a notação musical em países anglo-saxões é feita desta forma). Invariavelmente surgiam acordes dissonantes. Por isso, aos 14 anos começou a estudar violão através das cifras e , a partir daí, começou a compor músicas dentro de um padrão “aceitável”. Durante este tempo, tocou alguns instrumentos (bateria, baixo, guitarra) em algumas bandas (Bagaça, Crotalus, Lisergia, Vacoom, Skilfborn e Killing King), até que montou, junto com colegas de teatro (que freqüentava desde os 8 anos) a sua primeira banda: Os Calígulas, na qual atuava como vocalista. A experiência durou dois shows e uma fita demo, até que em 1994, ele resolveu montar o seu próprio projeto batizado de Sofisma. A banda iniciou cantando em inglês e com uma sonoridade nitidamente pop. Em um segundo momento, em 1996, a banda passou a cantar em português a fazer um som mais pesado e dançante. Após várias mudanças de formação e de conceito, a banda terminou em 1999.

Em 2003, o artista grava um CD-demo com 5 músicas (em inglês e português) que acabaram não ficando comercializáveis, mas que fizeram com que o artista enxergasse a viabilidade daquele projeto, porém se realizado de maneira mais profissional. No mesmo ano, viajou até a Europa (Itália e Eslovênia) onde realizou, no período de dois meses, uma série de shows acústicos tocando canções suas ( “ Ela é minha musa”, “Mula sem cabeça” e “Homem de bem”), além de canções de artistas como Alceu Valença, João Gilberto e Luis Gonzaga.

Seu estilo é basicamente rock, mas sempre que possível associado a outros ritmos ( Funk, Samba, música oriental, Cromatismo, etc.). As letras podem falar de situações do dia a dia, ou tratar de temas mais amplos e filosóficos, mas sempre com uma certa dose de ironia e iconoclastia.

Nos últimos três anos, o artista participou da seletiva do UNIFEST (festival de música universitária) no ano de 2006 (quando ainda era aluno do curso de Letras Vernáculas com língua inglesa da UFBA) – tendo sua canção “Tudo que entra tem que sair” selecionada para a primeira fase – continuou a compor mas dedicou-se também ao estudo de novas tecnologias e dos novos processos, tanto de produção digital musical quanto de divulgação eletrônica. Neste período, entrou em contato com programas tais como: Sound Forge, Pro-tools, Guitar pro, Front Page e Moviemaker. Se ainda não possui o domínio completo destas ferramentas, ao menos já as conhece, o que pode facilitar e dinamizar o processo de edição musical e sua posterior divulgação. Além disso, contará com uma equipe de profissionais que tem o domínio destas ferramentas.

A produção artística e cultural do proponente é ampla e diversificada. Além de tocar bateria, baixo, guitarra, teclado, ter composto duas centenas de músicas (vide lista em anexo) e desenvolver outras atividades musicais, ele também desenvolve material literário (deve iniciar seu sexto romance neste segundo semestre), projetos audiovisuais (roteiros de curtas-metragem, roteiros de vídeo-clipes e documentários) e projetos sócio-educativos. O artista deseja gravar, finalmente, seu disco de estreia ainda este ano.

kaw malangue
Oi Lá A Constelação
Kaw Malangue
kaw malangue
Preludin
Kaw Malangue
kaw malangue
Diástolica (Manter O Mantra)
Kaw Malangue

Alexandro Costa Ferreira

Contato: desrroche@hotmail.com

Há 13 anos, exerce sua atividade como músico, compositor, cantor e produtor da banda Desrroche, criada de forma ímpar, com visual forte e uma linha de arte centrada nos valores humanos e religiosos,obteve destaque no cenário com performance e som calcados na estética do Rock Industrial e gótico, em plenos anos 2000.

Elabora a imagem digital da banda como Designer e cenografia utilizada pela mesma durante suas apresentações. Compositor e mentor da estética e figurino da Desrroche.

Como produtor, desenvolveu os 03 álbuns da banda, o conceito artístico por 8 anos (figurino/cenário) no Festival Palco do Rock, obtendo a conquista de 6 premiações; realizou o credenciamento artístico da banda junto à CCPI/SECULT, obtendo grande destaque dentre as os artistas selecionados e maior pontuação do mérito artístico.

Articulou e concretizou a exportação da banda para o maior festival gótico realizado no nordeste, o Subterrâneo Gothic Rave, em Campina Grande, Paraíba.

lex pedra
Caixa Do Segredo
Lex Pedra
lex pedra
O Portador
Lex Pedra
lex pedra
Se Eu Morresse Amanhã
Lex Pedra

Ricardo Bittencourt Bispo

Contato: ricobaea@yahoo.com.br

Ricardo Bittencourt Bispo – Músico autodidata
Formação Acadêmica: Engenharia
Endereço: Parque Flamboyans, 26 Condomínio Riviera – Rua B Casa 28
Abrantes – Camaçari – Bahia – Brasil
Contato: ricobaea@yahoo.com.br / 71 98554-1941 / 71 99363-4972 / 71 98271-3759

Grupos Musicais

Membro fundador do grupo de música autoral Sine Qua Non 2004 a 2010
Membro fundador do grupo de música autoral Exoesqueleto 2012 a 2014
Membro integrante do grupo de música autoral Radielic 2012 a 2015
Membro fundador do grupo de música autoral Os Sinteticos 2016 a atualmente

Registro Fonográficos

EP “Um antidepressivo” – Banda Sine Qua Non – Estúdio Clã – Ano 2006
Gravação da música “Eu Sei” para o 4° Festival Universitário de Música da Bahia – Estúdio Clã – Ano 2007
CD “Condição Sinequanon” – Banda Sine Qua Non – Estudio 60 – Ano 2010
EP “ExoSessions” – Banda Exoesqueleto – Estúdio Em Transe – Ano 2013

 

os sinteticos
Eu Sei
Os Sintéticos
os sinteticos
Ventania Redentora
Os Sintéticos
os sinteticos
Jazzeando
Os Sintéticos